quarta-feira, 26 de setembro de 2012

4 meses sem você.


4 meses então e eu ainda espero que você saia do seu seu antigo quarto cada vez que piso na sua antiga casa.
Ainda que eu saiba que seu palácio no céu está cheio de seu amor, cheio de sua paz, e que você partiu para o próximo passo da aventura, meu coração se aperta, e antes de eu dormir ainda desejo intensamente acordar naquela manhã de domingo que fosse dormir comigo e me abraçasse de modo que eu pudesse sentir seu coração bater.
 O prazo de eu ficar sem você se esgotou vó, a saudade apertou e já não controlo mais lágrimas, só tento evitar pensar.
Queria que por um descuido do tempo eu acordasse há alguns anos atrás e pudesse aproveitar mais, te mimar mais, tudo mais!
Hoje mesmo indo pra facul lembrei-me de alguns fatos, um que me fez rir foi lembrar do dia em que você me ensinou a fazer roupinhas para as minhas bonecas, me ensinou a fazer vestidos rodados! hahaha ai ai ai essa saudade é uma droga mesmo.
Vó, eu te amo muito.



"Meu amor por ti é Ágape."



Até que a morte nos aproxime.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Os Grilos estão voltando...

...Alguma coisa mudou!

O Bom de cada um de nós.

Sou uma pessoa que deixa a desejar.
Pressinto que o mundo sempre merece mais de mim, mais um sorriso, mais um comentário, mais algumas horas de dedicação.
Enquanto isso na outra ponta da contradição, longe o quanto está meu quadrado do M, minha vida merece alguns pontos a menos.
Menos expectativas, menos lágrimas, menos suspiros, menos esperanças...
Enquanto cem conseguem me ver uma pessoa de bem, alguns trezentos não conseguem mais achar o que me destaca. O que me faz pensar é que cem são movidos pela história, pela luta que eu não pedi pra lutar, que eu nem me candidatei pra guerrear e nunca pensei em realmente vencer. Os trezentos são os depois, os que vieram a pouco, estes conhecem o que eu sou, sem história, sem batalha, sem nada, nem açúcar, nem sal apenas com algumas gotas de álcool e fogo para queimar as palavras e a promessas me feitas falsas. Não culpo ninguém, não odeio ninguém mais do que me odeio por saber que todo mundo mente e que eu fui capaz de ocultar essa realidade do quadrado do meu M.
É o amor.
É ele quem me apaga, quem me oculta que me faz louca, me torna disturbada, enciumada e muito brava. Me torna chorona, me causa insônia e me sufoca em tudo que eu poderia ter feito diferente.
Eu só peço aos seres divinos de luz e energias boas uma conversa a mais.Só.
Estar só tem sido o mais fácil e o menos procurado por mim, não sei por que e nem procuro entender por que meu jeito de amar é tão mais correto do que aqueles que dizem que amam logo na primeira elevação do fogo do instinto. Acho lindo o amor que sentimos pela voz, pelo assunto, pelo fato ocorrido, tão mais lindo... O que mata é toda essa suas consideração ser um cansaço, um excesso de blá blá blá que te torna insuportável.
Isso nem dói. Isso corrói, te torna ruim, te torna vingativa e te torna um criança que não sabe administrar seus desejos e sentimentos.
Bom chega de blá blá blá.
Bora estudar.


quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Verbo Apagar...

Quem dera se fosse tão fácil como apagar de um blog, de um celular de qualquer coisa que seja, apagar alguém da sua vida. Triste mesmo é tratar as pessoas como você gostaria de ser tratada e esquecer de tratá-las como te tratam. Posso estar mil vezes mais triste, imensamente decepcionada, mas esse é o preço que se paga quando Deus nos presenteia com o dom de amar as pessoas como se não houvesse amanhã.
Como toda a alegria que passou logo, talvez dias, meses ou anos essa mágoa também vai passar.