sexta-feira, 22 de junho de 2012

E sem te querer, eu te queria.
Sem programar nada você surgiu assim do acaso, do quase mal falado, do que nem foi ajustado e muito menos planejado, você chegou como um conhecido que eu nunca mais iria ver que eu podia fazer o que eu queria, ser eu mesma pois você nunca mais me veria. Quanta ignorância minha... 
Acontece que você estava ali, eu só não percebia você era um moleque, um menino novo até o momento que eu escutei sua voz, provei do teu beijo, e senti a firmeza que tens no abraço, e depois disso você já não era aquele menino, era o que eu mais queria, foi quem despertou algo que eu achei que nunca seria afogado, a cisma do primeiro amor. Não há uma noite se quer que eu durma pensando em outro alguém, não teve uma manhã que eu acordasse sem que eu quisesse estar contigo, e não se passa mais de dez minutos que eu não pense em você. Sei lá se é amor, paixão ou  que quer que seja, o que eu quero mesmo e ter você! 
Ser só sua, e você ser só meu.
M

Nenhum comentário:

Postar um comentário