segunda-feira, 28 de maio de 2012

Homenagem da Vó Santa.

    


      Em 16 de setembro de 1944 nasceu Santina Silveira Dos Santos filha de Olino Manoel Silveira e Joana Ferreira Silveira, na localidade de Pontão no município de Stª Rosa do Sul-SC, onde viveu até os 7 anos quando mudou-se juntamente com a família para a comunidade de Boa Vistinha-Turvo, onde passou sua infância e juventude. Durante sua juventude conheceu Luiz Manoel dos Santo, mais conhecido como Lula, com quem namorou por 8 anos e casou-se quando tinha 22 anos, passando então a residir em Itoupava-# -Turvo.
     Durante esta união constituíram uma bela família, da qual nasceram 4 filhos; O Eduardo, A Mª Aparecida, O Roberto e a Daniela. Nesta trajetória tiveram muitos momentos de alegria e tristezas como na enchente de 1974 quando com amor e união recomeçaram a sua luta.
     Dona Santa possuía muitos sonhos, dentre eles o de possuir uma família unida e feliz. Os filhos cresceram, tornaram-se adultos e casaram-se trazendo a esta família os novos integrantes, os netos ; Marílis, Luiz Antônio, Wlademir, Bruno, Gabriela, Mª Eduarda, Thiago e José Luiz, estes que contaram com o amor incondicional da vó Santa em suas formações.
    Muito religiosa e com uma disposição sem tamanho, não media esforços para ajudar a comunidade, realizou mais um sonho no ano de 2004 quando a igreja da Itoupava # fora inaugurada. Sempre ativa na comunidade, em frente as organizações, uma delas o Apostolado da Oração, uma de suas vocações. Outro sonho que sempre cultivou foi o de se formar Ministra Da Eucaristia, concretizando o mesmo em dezembro de 2006, atuando até quando a saúde permitiu.
    Dona Santa nos deixou muitos ensinamentos de amor, união e perseverança. Foi boa filha, esposa, mãe, sogra, vó, amiga e por diversas vezes professora, enfim, não media esforços para ajudar o próximo. Diante das situações difíceis sempre tinha fé e encontrava as palavras certas para tranquilizar quem precisa-se.
   Sempre com seu jeitinho, tinha uma boa mão para dar ponto ao bolo que desandava, concertando as costuras que as amigas não davam conta e até mesmo dando ponto ao sabão das vizinhas.
   Que tenhamos o bom senso de cultivar o que ela sameou, ajudar o próximo como ela ajudou, de manter a fé como ela sempre manteve e diante de sua falta, tendo em nossos corações esse vazio, que tenhamos a confiança que ela sempre em Deus.
Que não seja em vão sua luta.

  16/09/1944
  26/05/2012

Um comentário:

  1. lindo,muito lindo mesmo esse amor de neta para avó!!!!
    sempre guardarei ótimas lembranças da dona santa!!!!

    ResponderExcluir