segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

É...

...Como se eu quisesse escrever aqui o turbilhão de idéias, conclusões que passam na minha cabeça, transparecer aqui a pessoa calma, nervosa, serena e sonhadora que talvez eu seja.
Descrever a saudade que sinto, o medo que tenho e a força que quando desafiada é capaz de surpreender quem quer que seja. Mostrar a imensidão que sou, a pessoa que restou de anos e anos de educação, exigências e mudanças que a cada dia vem me mostrando o quanto subi e a imensa distância de degraus que ainda tenho que percorrer. É como se eu possui-se o maior poder de todos e a menor possibilidade que possa existir, é como se eu carrega-se uma essência que nasceu numa época errada, a vontade de lutar, de encontrar uma causa onde eu gaste minha vitalidade, minha força e demonstrasse a minha garra, é como se eu nascesse para viver numa constante disputa, numa interminável luta num campo de batalha imaginário e invisível aos olhos de quem se apega nesse material todo que não se leva no coração e nem se quer no bolso quando se fecha a tampa do caixão. As respostas dos meus "porquês" não são nem um milimetro do que eu espero.
Mas a vida é assim, longe de ser o que queremos, longe de mim.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

E eu....

... Gosto dele.
Não sei por que, não entendo o que
mais sinto que gosto, gosto das palavras, do sorriso, do jeito de falar
gosto do medo de compromisso, do medo de interagir, do medo de se entregar
gosto de tudo isso, dessa sensação gostosa de cortejar
gosto da sinceridade, do modo calmo, da amizade que surgiu
sem nem um motivo, sem nenhuma intenção, sem nada que fosse forçado.
gosto dele, gosto do desafio, gosto com muito mais gosto que já gostei,
é como se nos conhecêssemos a anos, assuntos que não se acabam
amizade que tem gosto de quero mais.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

característica

Eu minto, minto mesmo! Minto pra evitar confusão, minto pra livrar alguém, minto sem botar culpa e ninguém, minto quando tenho certeza que é pro bem, mas não minto sobre o que eu sinto, não minto no que eu digo e como todo mundo mente não adianta vim dizer-me que não mente. Por que assim já sei o quanto é grave seu grau de mentira.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Vital

Precisamos sempre ver muito além do nosso próprio horizonte, 
ver além dos nossos obstáculos, além dos nossos problemas,
devemos procurar avistar aquela fresta de sol sob as montanhas
de outros países, de horizontes maiores e mais amplos que os nossos.
Precisamos parar e ter uma certa conclusão antecipada dos fatos que nos rodeiam
precisamos saber até que ponto devemos deixar de lutar.
Desafiar o medo é algo extremamente necessário, deixar comodismos para atrás
é automático.
O negócio é viver e abrir os braços para abraçar as alegrias e afastar os males.

Hoje Percebo,

que muitas das coisas que prometi nunca deixar ir se foram sem que eu conseguisse ao menos me despedir, quantas amizades importantes e que muito me iluminaram já nem ligam mais, percebi o quanto me preocupei em somente em adquirir deixando de perceber o que eu acabei deixando ir, Quantas risadas gostosas deixei de dar, quantos abraços me segurei para não oferecer e quantas coisas passaram sem ganhar o valor adequado. Mas o incrível é que mesmo que eu voltasse a mil anos atrás algo iria deixar de ser vivido, algo seria esquecido e talvez eu nem achasse os anéis que me levariam para Nárnia ou jamais encontrasse o expresso de Hogwarts para aprender um pouco do senso de magia em minha própria vida, queria que depois de morta se fosse possível me transformar no mais lindo riso ou no mais suave sonho que mostrasse para aqueles que desconhecem a felicidade o quanto é simples e incrível saber sorrir e perceber os pequenos detalhes.

Onde quero estar?


Nas mais altas montanhas assistindo os fatos ruins passar
quero estar entre o gelo vendo todas as brigas esfriar
quero estar entre o fogo vendo todas as mágoas queimar
quero estar voando como um pássaro para mostrar
que o tempo sempre vem para todas as causas ajudar.