domingo, 15 de janeiro de 2012

Para sempre, sempre em mente.

     Tolo do homem que se deixa morrer a beira de um pequeno amor, ser esquecido as vezes é muito mais que fundamental para lembramos de é nós que fizemos nossa vida, que somos nós o personagem principal dessa rotina.
     Ser ignorado é importante para visualizarmos que os bons nunca nos deixam, os bons nunca se vão e sempre estarão dispostos a nos ouvir.




Os bons nunca nos deixam...

Os bons nunca nos deixam...
Os bons nunca nos deixam...
Os bons nunca nos deixam...
Os bons nunca nos deixam...



Somos nós os bons! Não devemos partir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário