terça-feira, 1 de novembro de 2011

Pai...

Eu queria que estivesse ao meu lado todos os dias dando conselhos e chamando a atenção pelos meus erros e falhos acertos. Assim como eu penso muito em ti eu sei que você pensa muito em mim, é torturante viver pensando somente no "o que meu pai faria? Será que me apoiaria?" é que eu tenho muito receio de errar e te decepcionar e ser uma filha longe do que você merece depois de tanto esforço e luta para me criar.
 Foi necessário eu ir embora de seus braços, foi necessário eu errar tanto, cair e escolher caminhos que me levaram para becos sem saída mas eu retornei na reta certa, se é que está certo eu considerar assim. 
Pai, eu queria que você tivesse uma certeza além da que a morte um dia te levará, assim como levará a todos, que eu te amo muito, e não é uma amor só de palavras, de frases e de pidichos (sabe, os ranchos que eu faço lá em casa... srsrsrs) é aquele amor que quando a saudade bate dá um aperto muito forte no coração, seria ótimo saber que um dia, talvez em outra forma de vida, eu pudesse me sentar junto de você e termos conversas longas 
onde você expõe sua forma de ver o mundo, a forma que me faz me encantar por ele.
  Quem dera todas as pessoas do mundo tivessem um pai igual ao meu 
que ao mesmo tempo que é pai é o meu melhor amigo, mãe pode ser uma pessoa essencial na vida de muitos, mas na minha foi meu pai.


"Me perguntaram quem é meu melhor amigo e é claro que sem pensar mais de meia vez eu respondi que era meu Pai."

Nenhum comentário:

Postar um comentário